domingo, 31 de agosto de 2008

Na Banca do Dorimar

Minha mana e blogueira Alcilene disse no Repiquete que a Banca do Dorimar, na Praça Veiga Cabral, "é o point mais animado das manhãs de domingo. É a cara de Macapá."

E é mesmo. Hoje de manhã eu e meu amigo Rostan Martins fomos fazer um passeio pela cidade e, claro, paramos na banca do Dorimar. Compramos jornais, conversamos com os amigos e fizemos algumas fotos. Veja:
Léo Platon, Rup Silva, Rostan, Corrêa Neto, eu, Azolfo, Tupã, Carlos, Orlando e Guilherme Jarbas


Eduardo e o casal Coronel Dias e Alcilene com o jornalista Corrêa Neto

Aliás, onde o jornalista Corrêa Neto chega é paparicado por um monte de gente.
Corrêa Neto é daqueles jornalistas sem papas na língua, que baixa a lenha em político corrupto, denuncia a ladroagem, fica indignado com tanta injustiça que acontece neste estado e neste país. Por isso certa vez alguém lhe disse que quando ele morresse tinha gente que ia soltar foguetes e olha só o que o Corrêa, na maior calma do mundo, respondeu: "Aí pode ir conferir se não são os ladrões".

Tem mais fotos da Banca do Dorimar no blog do Rostan (rostan.zip.net)

sábado, 30 de agosto de 2008

Foi um sucesso!

Foi um grande sucesso o lançamento do livro "Zero Voto" (tiragem de cinco mil exemplares) ontem no Largo dos Inocentes.

Poetas, professores, escritores, jornalistas, juízes, políticos, músicos, carnavalescos, autoridades estaduais e municipais e mais um montão de amigos foram lá nos prestigiar.

Eu e o Rostan Martins estamos muito felizes.

Obrigada a todos.
A partir de segunda-feira o Zero Voto estará à venda nas principais bancas e livrarias de Macapá


Tá no jornal Diário do Amapá

Estrelas
Rostan Martins e Alcinéa Cavalcante acenderam ainda mais o brilho de suas estrelas na noite de ontem.Lançamento do livro de causos da política tucuju foi muito concorrido.Previsão de muitas moedinhas nos cofres, pelo interesse que a obra despertou no povaréu.

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

É hoje!

Rostan Martins e eu te esperamos hoje, no Largo dos Inocentes, para o lançamento do nosso livro "Zero Voto", no qual contamos os causos mais engraçados da política amapaense.

II Sarau do Largo dos Inocentes

A arte invade o Largo dos Inocentes nesta sexta-feira (29). É o II Sarau da Confraria Tucuju que vem celebrar as noites de verão em Macapá. Será mais uma grande seresta com exposição de artes plásticas, poesias, obras da literatura amapaense, artesanato, mostra do folclore regional, gastronomia e música. A partir das 18 horas, quando o sol estiver se derramando no horizonte, começa no Largo a movimentação cultural.

Às 20 horas entram em cena os shows de música ao vivo. Esse horário respeita a celebração religiosa da Matriz de São José, nosso cenário a céu aberto. O primeiro show será com a cantora Silmara, vocalista da Banda Negro de Nós, que fará apresentação solo cantando Música Popular Brasileira. Em seguida, Finéias e Banda, com repertório nacional, incluindo Bossa Nova. Todas as atrações musicais do Sarau incluem em seu repertório, com ênfase, a música brasileira feita por compositores do Amapá.

Nas artes plásticas: O Sarau trará este mês exposições dos artistas plásticos Deco, Wagner Ribeiro, Da Gama, Honorato, M. Silva, Pantaleão e Herivelton.

Na poesia: Homenagem especial à poetisa Aracy de Mont’Alverne, organizada pela também poetisa Elizabeth Soares; varais de poesia e declamações.

Na literatura: Lançamento do livro de bolso "Zero Voto”, de Alcinéa Cavalcante e Rostan Martins, um divertido jeito de contar causos da política local. Tenda com exposição do acervo de literatura amapaense da Biblioteca Pública Eucy Lacerda.

No artesanato: Exposição e comercialização de peças produzidas pelos artesãos Firmina (bonecos e bijuterias), Socorro (chapéus e sandálias), Jejê (cordões e anéis de sementes), Edicléia (camisas e bijuterias), Esmeraldina (bonecas e camisas) e Margareth (camisas.

No folclore: História, indumentária, instrumentos e artefatos do Marabaixo.

Na música: A Associação dos Músicos e Compositores do Amapá – AMCAP participa do Sarau expondo e comercializando CDs e DVDs de artistas amapaenses.

(Márcia Corrêa, da assessoria de comunicação da Confraria Tucuju)

"Zero Voto" na mídia

Jornal DIÁRIO DO AMAPÁ

Coluna From, do jornalista Luiz Melo
Chegou o esperado dia do lançamento do livro “Zero Voto”, carimbado pelos jornalistas Rostan Martins e Alcinéa Cavalcante.
Evento acontece à noite no Sarau Tucuju, programação que a Confraria Tucuju realiza todas as sextas-feiras no Largo dos Inocentes, atrás da Igreja de São José.
Colunista vai conferir.


Coluna Argumentos, do jornalista Cleber Barbosa
“Causos” viram livro
Vamos combinar que todo mundo adora falar de política na companhia de amigos e de preferência na mesa de um bar, não é mesmo? Mas junte a isso anos e anos de janela, criatividade e puro talento de Alcinéa Cavalcante e Rostan Martins, dá o livro “Zero Voto”, que será lançado hoje num lugar que só poderia se chamar Largo dos Inocentes (Confraria Tucuju) às 20 horas. É para rolar de tanto rir. Imperdível.


Coluna Ponto e Vígula
Lançamento
É lançado nesta sexta-feira, 29, na sede da Confraria Tucuju, no Largo dos Inocentes, atrás da Igreja de São José, o livro “Zero voto" dos jornalistas amapaenses Rostan Martins e Alcinéa Cavalcante. A obra aborda causos engraçados da política local. O lançamento vai acontecer a partir das 20h, na presença de convidados ilustres e admiradores da literatura amapaense, além de políticos interessados em conhecer as estórias e os causos políticos ocorridos desde à época do ex-Território do Amapá.


Jornal A GAZETA
Histórias da política para quem gosta de rir
Paulo Ronaldo Almeida

A maioria dos brasileiros divide o mesmo pensamento em relação a alguns políticos: dizem que quando ele não mente, fala besteira. E se tratando de eleição, aí o assunto faz qualquer um rir. Mas que tal reunir essas besteiras em um livro? A idéia - que nasceu numa rodada de amigos - ganhou forma e hoje os jornalistas Rostan Martins e Alcinéa Cavalcante lançam, a partir das 20h, no Largo dos Inocentes (Confraria Tucuju), o livro "Zero Voto".
A parceria entre os dois começou no início deste ano, quando foi lançado o livro "Sambou...", que contava de forma bem humorada, alguns causos que ocorreram nos bastidores de alguns carnavais amapaenses. E não é que deu certo! Antes das escolas passarem pela avenida Ivaldo Veras a tiragem de mil exemplares - muito para a realidade amapaense - já tinha se esgotado. Como as histórias nunca acabam, a segunda edição, que vem com novos causos, ficou para 2009.
A exemplo do Sambou, o "Zero Voto", dizem os escritores, são histórias reais que ocorreram na política local, com uma pitada de humor. "É para rir, mas também para refletir sobre nossos políticos e como alguns deles só abrem a boca para falar besteiras", diz Alcinéa Cavalcante.
O título do livro, explica Rostan, é referência a um pai de um candidato que mandava descer cerveja e churrasco para todo mundo festejando a vitória do seu rebento. Ele acompanhava o resultado pelo rádio. "A cada urna aberta o locutor dizia: candidato fulano de tal, sem votos ou seja, zero voto. Mas o pai eufórico entendia 100 votos e fazia a festa, para no final ter a decepção da derrota do filho", conta Rostan informando que o livro estará a venda na Banca do Dorimar, ao preço de dez reais.
E quando o assunto é eleição há muitos causos a serem contados. A exemplo do Sambou, os jornalistas acreditam que após o lançamento do livro, ouvirão outras histórias, que certamente será incluído no próximo livro.
Para evitar problemas judiciais, os nomes de alguns personagens foram ocultados, até porque muitos deles ainda continuam na ativa e mesmo após muitos anos de vida pública continuam falando besteira. O fato é que o livro, segundo os autores, "...é bem menor que a plataforma de trabalho de muitos candidatos, mas um pouco mais engraçado que algumas".


PAPEL DE SEDA, blog da jornalista Márcia Corrêa
Zero Voto será lançado no Sarau
A jornalista Alcinéa Cavalcante e o arquiteto Rostan Martins lançam o livro de bolso “Zero Voto” no Sarau do Largo dos Inocentes. Amigos e companheiros de inquietações literárias, Alcinéa e Rostam descobriram um formato barato e popular para publicar suas idéias. Em fevereiro último lançaram o “Sambou”, um livreto com histórias engraçadas e curiosas dos bastidores do carnaval. Aquilo que vira folclore está no livro.

“Zero Voto” vem na mesma esteira. Descontraído e compromissado apenas com o inusitado jeito tucuju de fazer política, o livro conta episódios curiosos e gafes de políticos e assessores com muito humor. O título se refere a um estilo de anunciar o número de votos de cada candidato usado por um juiz na década de 70 em Macapá. Clemansor era o nome dele. As apurações eram transmitidas pelo rádio. Quando o pobre coitado não tinha voto nenhum, Clemansor dizia: Fulano de tal, zero voto.


JORNAL DO DIA
Coluna Respingando, do jornalista Paulo Silva
Registrando causos da política amapaense, os jornalistas Rostan Martins e Alcinéa Cavalcante lançam, na Confraria Tucuju, o livro de bolso "Zero Voto". Tem a história do candidato que prometeu construir um "Apuródromo", e a do então candidato a vereador Tupã Duarte; aquele que na primeira urna apurada passou de "cem" votos - e foi logo festejando - para "sem" voto. Vale a pena "abicorar".

REPIQUETE, blog da jornalista Alcilene Cavalcante
Nessa sexta-feira, 29, será o lançamento do livro “Zero Voto”. Livrinho de causos da política escrito pelos jornalistas Rostan Martins e Alcinéa Cavalcante.
O lançamento será no Sarau Tucujú, programação que a Confraria Tucujú realiza todas as sextas-feiras no Largo dos Inocentes, atrás da Igreja de São José, para movimentar, levar cultura e entretenimento ao bonito Centro Histórico de Macapá.

Jornal DIÁRIO DO AMAPÁ
Jornalistas amapaenses lançam nesta sexta-feira o livro “Zero Voto”
Uma roda de amigos à sombra da mangueira do ventilado quintal, uma garrafa de café, uma jarra de suco de maracujá geladinho e um bate-papo gostoso, descontraído e sem pressa. Ninguém olha o relógio, ninguém tem compromisso marcado para o resto da tarde. É nesse clima que será lançado nesta sexta-feira, 29, o livro de causos da política amapaense intitulado “Zero voto” dos jornalistas e escritores amapaenses Rostan Martins e Alcinéa Cavalcante. O lançamento acontece às 20h, na sede da Confraria Tucuju.
Para os autores, não poderia existir melhor lugar para marcar o lançamento. “Coisa boa é conversar sem pressa. Os assuntos são os mais variados. Fala-se de carnaval, de literatura, das sextas-feiras na Confraria Tucuju. Cada um aciona sua bola de cristal e diz quem será o próximo prefeito, qual o percentual de renovação da Câmara de Macapá, quais serão os candidatos mais e menos votados. E quando o assunto é eleição há muitos causos a serem contados. E aí a gente lembra do candidato que prometia construir um “apuródromo” talvez num “comitê interplanetário”. Tem também a historinha do pai de um candidato que mandava descer cerveja e churrasco pra todo mundo, festejando a vitória do seu rebento, pois acompanhando o resultado pelo rádio entendia que em cada urna seu filho tinha “cem votos” e, na verdade, era "”em votos”, ou seja, zero voto. De causo em causo vem a sugestão do grupo para que façamos um livro de bolso contando os causos da política, no estilo do “Sambou...” que lançamos no carnaval deste ano”, assim se expressam os autores sobre a obra.


E MAIS:
No Rádio: Hoje eu e Rostan Martins seremos os entrevistados do jornalista Luiz Melo, no programa Luiz Melo Entrevista, que vai ao ar das 7h às 9h, na Antena 1.
O "Zero Voto" foi o destaque de ontem no programa "Bom dia, dia", do jornalista J.Ney - que vai ao ar de segunda a sexta, das 5h às 7h na Antena 1.
Na quarta-feira concedi entrevista ao programa "O Estado é Notícia", apresentado das 12h30 às 13h30, na Antena 1, pelo jornalista Reginaldo Borges.

Na TV - Hoje eu e Rostan Martins seremos os entrevistados do Programa Roda Viva, do jornalista Carlos Lobato (Canal 4) - que desde quarta-feira vem noticiando com bastante destaque o lançamento do livro.

Nos blogs - Zona do Zico, Repiquete, Corrêa Neto, Neste Instante são alguns dos blogs que vem noticiando o lançamento do "Zero Voto".

A todos vocês - de rádio, jornal, televisão e blogs - eu e Rostan agradecemos pela força, pelo espaço, pela divulgação. Muito obrigada.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Para rir dos políticos


Será nesta sexta-feira, 29, o lançamento do livro "Zero Voto", onde eu e Rostan Martins contamos os causos mais engraçados da política amapaense.
Agende-se para dar boas gargalhadas, sexta-feira às 20 horas no Largo dos Inocentes (Confraria Tucuju).
Te esperamos lá.

ZERO VOTO - nosso livro de causos
Uma roda de amigos à sombra da mangueira do ventilado quintal, uma garrafa de café, uma jarra de suco de maracujá geladinho e um bate-papo gostoso, descontraído e sem pressa. Ninguém olha o relógio, ninguém tem compromisso marcado para o resto da tarde.
Coisa boa é conversar sem pressa. Os assuntos são os mais variados. Fala-se de carnaval, de literatura, das sextas-feiras na Confraria Tucuju, das coisas da cidade – as boas e ruins – e da política.
Cada um aciona sua bola de cristal e diz quem será o próximo prefeito, qual o percentual de renovação da Câmara de Macapá, quais serão os candidatos mais e menos votados.
E quando o assunto é eleição há muitos causos a serem contados. E aí a gente lembra do candidato que prometia construir um “apuródromo” talvez num “comitê interplanetário”. Tem também a historinha do pai de um candidato que mandava descer cerveja e churrasco pra todo mundo festejando a vitória do seu rebento, pois acompanhando o resultado pelo rádio entendia que em cada urna seu filho tinha “cem votos” e, na verdade, era “sem votos”, ou seja, zero voto.
De causo em causo vem a sugestão do grupo para que façamos um livro de bolso contando os causos da política, no estilo do “Sambou...” que lançamos no carnaval deste ano.
Sugestão aceita.
Escrevemos. O livro está pronto e será lançado nesta sexta-feira, 29, no Largo dos Inocentes (Confraria Tucuju) às 20 horas.
Alcinéa Cavalcante e Rostan Martins

Quer água? cava um poço

Isso é um poço amazonas, muito utilizado em vilas e lugarejos do interior onde não tem água tratada.
Macapá não é cidadezinha do interior, é capital de um estado, mas o poço amazonas está presente em milhares de quintais porque o abastecimento de água por aqui é super precário. Como também praticamente inexiste esgoto, os poços são abertos a pouquíssimos metros das fossas. Aí dá pra imaginar a qualidade da água.
Pois é, em pleno século XXI o morador de Macapá ainda tem quer ter poço e fossa no seu quintal. Uma vergonha para uma cidade que foi enredo da escola de samba Beija-Flor no carnaval deste ano. Uma vergonha para um Estado que tem no Senado um ex-presidente da República.

Ainda sobre o atentando sofrido por Frota

A direção nacional do PSTU e a Conlutas querem que seja esclarecido tim-tim por tim-tim o atentado sofrido por Joinville Frota, candidato do PSTU a prefeito de Macapá, na madrugada de sábado.
Para isso já está na cidade um advogado vindo de São Paulo. Ele terá uma audiência hoje, às 16h30, com o presidente do TRE-AP, desembargador Carmo Antônio. Deve conversar também com outras autoridades locais e cobrar agilidade na investigação, punição dos culpados e meios que garantam a integridade física do candidato.
O PSTU e a Conlutas já avisaram que se algo mais acontecer a Joinville Frota vão responsabilizar a Justiça Eleitoral e os governos federal e estadual. "O Estado tem a obrigação de garantir a integridade física dos cidadãos e vamos exigir isso", disse um dos dirigentes do partido no Amapá.
O partido vai cobrar também um posicionamento da OAB-AP.

Zero voto

Tá na coluna From, do jornal Diário do Amapá:


Tá chegando nas bancas o livro “Zero Voto”, dos jornalistas Rostan Martins e Alcinéa Cavalcante.Com causos da política e das eleições, que com certeza vai dar muito o que falar.Vamos aguardar.


Tá no blog Repiquete:
Causos da Política
Zero Voto é o livro com causos da política e das eleições que os jornalistas Rostan Martins e Alcinéa Cavalcante estarão lançando na próxima semana.
Aguarde para dar muitas risadas.

Não quero!

O eleitor entra no gabinete do candidato a prefeito, esparrama-se na poltrona e diz:
- Eu vim aqui porque estou precisando de umas dúzias de tábua pra construir um puxadinho lá em casa para o meu filho que acaba de casar.
- Mas eu não estou dando madeira, diz o candidato
- Bom, então eu aceito alguns milheiros de tijolo pra levantar o muro de casa.
- Mas eu não estou dando tijolo.
- Então me dê uma passagem pra Belém que eu quero visitar uns parentes que tenho por lá.
- Também não estou dando passagens.
- O que o senhor está dando então?
- Eu dou esperança e a minha palavra de que essa cidade vai melhorar muito se eu for eleito.
- Pois isso que o senhor tá dando eu não quero.
- Por que?
- Esperança não enche barriga e político de palavra ainda não nasceu.

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Conchavo contra o promotor Afonso Guimarães

Tá no portal do Ministério Público:

Recentemente, o Promotor de Justiça Afonso Gomes Guimarães, da Comarca de Serra do Navio-AP, teve acesso a um CD-ROM contendo gravações de conversas ocorridas entre Genival Gemaque Santana, secretário de Infra-Estrutura da Prefeitura de Pedra Branca do Amapari, e os vereadores Edmilson Gomes Coelho e Raimundo Nonato de Souza Miranda, este candidato a vice-prefeito na chapa do atual Prefeito Zezinho, além de um empresário de Pedra Branca do Amapari.

As gravações revelam a existência de um conchavo para prejudicar o Promotor de Justiça, que vem investigando a existência de um esquema de fraudes em licitações e contratações, cobrança de propina e superfaturamento de preços na Prefeitura de Pedra Branca do Amapari.

O conchavo, que tem como líder o Prefeito Zezinho, começou depois que o empresário cuja empresa foi contratada pela Prefeitura para fazer a coleta de lixo da cidade denunciou ao Promotor que todos os meses era descontada do seu pagamento, pelo então secretário municipal de finanças, Agnaldo Sá, a quantia de R$ 6.000,00 (seis mil reais), sem qualquer justificativa legal, além de ter de pagar mensalmente R$ 500,00 (quinhentos reais) para o ex-presidente da Comissão de Licitação, Sérgio Pimentel.

Foi, então, que o Prefeito Zezinho, por intermédio do secretário Genival Gemaque e dos vereadores Edmilson Coelho e Raimundo Miranda, autorizou que oferecessem ao empresário o montante de R$ 15.000,00 (quinze mil reais) para que ele desmentisse a denúncia que havia feito ao Promotor, e fosse embora de Pedra Branca para não prestar depoimento à Justiça. Mas, antes de ir embora, o empresário deveria fazer uma gravação em vídeo dizendo que só denunciou o esquema de propina e fraudes ao Promotor porque ele lhe pressionara e oferecera dinheiro.

Essa gravação seria exibida na televisão e nos jornais, objetivando desqualificar a investigação e desmoralizar o Promotor.

O Promotor Afonso Gomes Guimarães está investigando se a descoberta do conchavo não foi a verdadeira causa de uma manifestação organizada em Pedra Branca contra sua pessoa, no dia 18 de julho passado. De acordo com Guimarães, essa conduta já foi denunciada pelo Procurador-Geral de Justiça, Márcio Augusto Alves, ao Tribunal de Justiça- TJAP.

As gravações estão disponíveis no site do Ministério Público (www.mp.ap.gov.br)

http://www.mp.ap.gov.br/portal/preview_apl.php?codigo_apl=2&codigo_item=2372&codigo_site=1&param=jan*12*d

Caso Bolsa - O que diz o PDT

O coordenador da campanha do candidato Roberto Góes, professor Adauto Bittencourt, diz que não tem nenhuma informação oficial sobre a prisão das funcionárias da Bolsa Família e que só se manifestará sobre o assunto quando for informado oficialmente.

(Continuo aguardando a posição do Governo do Estado.)

PF prende coordenadora da Bolsa Família

Estão presas na Polícia Federal, em Macapá, a coordenadora e mais quatro funcionárias da Bolsa Família no Amapá.
Elas são acusadas de usar a máquina pública em benefício do candidato a prefeito Roberto Góes (PDT).
De acordo com uma fonte do Tribunal Regional Eleitoral, por volta das 10 horas, o juiz Marconi Pimenta recebeu uma denúncia dando conta que funcionários públicos que trabalham na coordenação da Bolsa Família estavam fazendo uma reunião política na Associação de Moradores do bairro Buritizal e pressionando os beneficiários das bolsa a votarem no candidato do governo.
Imediatamente, Marconi Pimenta acionou a Polícia Federal que lá chegando constatou que realmente havia uma reunião e a possibilidade de se estar comentendo ali crime eleitoral.
A PF apreendeu no local placas, cartazes e outros materiais de propaganda e prendeu a coordenadora e mais quatro pessoas.
Neste momento, as presas estão prestando depoimento.

Vale ressaltar - Já entrei em contato com a assessoria do candidato Roberto Góes e com a Secretaria de Comunicação do Governo para saber a versão de ambos sobre o possível uso da máquina pública em benefício da candidatura pedetista, que resultou na prisão de cinco pessoas na manhã de hoje.
Tanto o secretário de Estado da Comunicação como o assessor de imprensa de Roberto Góes disseram-me que tão logo estejam inteirados do caso manterão contato comigo.
Vou ficar aguardando, deixando o espaço aberto para a versão do governo e do candidato. Portanto, eles não poderão reclamar que não tentei ouvir o outro lado.

Candidato do PSTU sofre atentado

Na madrugada de sábado pessoas ainda não identificadas incendiaram a casa de Joiville Frota, candidato do PSTU a prefeito de Macapá. O grupo jogou gasolina e um pano em chamas na residência do candidato, que ficou parcialmente destruída.

Leia a nota da direção nacional do PSTU sobre este atentado:

Por volta de 02h45 da madrugada deste sábado, dia 23 de agosto, ocorreu uma tentativa de incendiar a casa de Joinville Frota, candidato à prefeito do município de Macapá pelo PSTU, e presidente licenciado do Sindicato dos Rodoviários do Amapá (SINCOTTRAP).

Um grupo pulou o muro de sua residência e lançou na parede da casa uma bomba caseira, feita com uma garrafa de gasolina e um pedaço de pano em chamas, um coquetel molotov. O fogo se espalhou pela parede e só com muito esforço foi controlado pelo próprio Frota e sua filha. O incêndio poderia ter tirado a vida do presidente do SINCOTTRAP e de toda a sua família.

Este é o quarto atentado contra Frota e dirigentes do Sindicato. O primeiro ocorreu em 2003 com a invasão da sede do sindicato, o segundo foi a emboscada contra a vida de sua companheira e diretora sindical, e o terceiro ocorreu no início do ano com a tentativa de incêndio à sede do sindicato.

QUEM SÃO OS RESPONÁVEIS POR MAIS ESTE ATO CRIMINOSO?
No momento não podemos afirmar, ou mesmo apontar algum suspeito. O certo é que esse ato criminoso acontece dois dias antes de uma paralisação em duas empresas de ônibus (Viação Amapaense e Capital Morena), que vai ser feita pelos trabalhadores contra o descumprimento do acordo coletivo e pelo plano de saúde, e alguns dias antes de audiência na justiça, onde o sindicato acionou empresas de ônibus da região. Tudo isso só vem confirmar a regra de que todos os atentados acontecem em períodos em que a categoria está em luta salarial.

Frota está à frente de um dos sindicatos mais combativos do Estado. O sindicato que junto com a categoria há anos trava uma luta permanente contra os empresários em defesa dos direitos da categoria, e contra as tarifas abusivas que eles tentam cobrar da população. Além disso, é um militante socialista que defende a luta dos trabalhadores e profundas transformações sociais em nosso país. Por isso é candidato a prefeito pelo PSTU e se enfrenta com todas as candidaturas do patrões no estado do Amapá. Tudo isso tem angariado, contra ele, o ódio dos empresários de ônibus e de boa parte dos empresários do Estado.

Mas não podemos deixar de registrar que, até agora, não houve por parte das autoridades públicas, sejam dos órgãos policiais, do judiciário, do governo do Amapá ou federal, qualquer medida concreta que tenha levado à identificação e punição dos responsáveis pelos atentados anteriores. Isso torna o poder público cúmplice e incentivador de atos criminosos como este que acaba de ocorrer. Qualquer agressão que venha a acontecer novamente contra a vida e a integridade física de Frota e sua família, portanto, debitaremos na conta das empresas de ônibus, do governo do Amapá e do governo lula.

Exigimos das autoridades públicas medidas imediatas e efetivas contra o atentado. Cabe ao TRE e TSE garantir condições democráticas para que Frota leve adiante sua campanha pela prefeitura de Macapá. Cabe ao governo do Amapá e ao governo federal, aos órgãos policiais, ao poder judiciário identificar e punir os responsáveis pelo atentado (mandantes inclusive). Responsabilizamos diretamente o governo do Amapá e o governo federal pela garantia da vida e da integridade física de Frota e sua família.

O atentado contra Frota, por outro lado, vem somar-se a uma longa lista de agressões feitas, pelo empresariado e pelas autoridades, contra trabalhadores, sindicatos e movimentos sociais nas várias regiões do país. Não é um atentado somente contra Frota ou o PSTU. É um atentado contra as liberdades democráticas de todos aqueles que defendem propostas contra o patrões e a perspectiva do socialismo.

Assim conclamamos a todas as organizações da classe trabalhadora, às entidades democráticas do nosso país, como a OAB e outras, a solidarizarem-se com Frota, sua família e o SINCOTTRAP, bem como contra todo este estado de coisas. A somarem-se à exigência de respeito aos direitos sindicais e democráticos dos trabalhadores, contra a criminalização da luta e das organizações da classe trabalhadora e pela garantia de vida de seus dirigentes.


São Paulo, 23 de agosto de 2008

Direção Nacional do PSTU - Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado


Nota da direção nacional do PSTU

Bom dia!

Encontrei essa papoula carregadinha de flor numa praça do bairro Perpétuo Socorro e resolvi trazê-la para embelezar tua semana

Você acredita...

que é possível ter eleições limpas quando gente que faz parte do juizado eleitoral tem queridos primos e amado tio disputando as eleições?

Não é pra rir?

Todo mundo tá careca de saber que os jornais de domingo - seja aqui no Amapá ou lá no Rio Grande do Sul - começam a circular no final da tarde de sábado.
Pois bem, alguns candidatos a prefeito quando tomaram conhecimento que o Jornal do Dia de domingo publicaria uma pesquisa com resultados desfavoráveis a eles correram sábado pela manhã ao TRE para impedir a divulgação.
Só no comecinho da noite - quando o jornal já estava sendo distribuído - a juíza Elayne Koressawa concedeu liminar proibindo a veiculação da pesquisa e mandou um oficial de justiça notificar o jornal.
Aquela hora o jornal já estava nas bancas e nas mãos dos assinantes e no prédio estava apenas o vigilante para quem o oficial entregou a notificação.
E quem não comprou o jornal no sábado à noite pôde comprá-lo ontem em qualquer banca, já que não houve mandado de busca e apreensão.
Ou seja, a liminar da juíza e nada são a mesma coisa.

Quando, desembargador?

"Desembargador, quando teremos eleições limpas neste estado?"

Foi a pergunta que um cidadão fez, em alto e bom som, na frente de todo mundo, quando o desembargador Luiz Carlos Gomes dos Santos - que é do TRE-AP- parou ontem na banca do Dorimar, a revistaria mais movimentada da cidade.
O que o desembargador respondeu eu não sei, pois ao contrário do cidadão, ele falou em tom baixo.

Semana Paulina - Convite

A Comissão Pastoral da Terra e o biblista Sandro Gallazzi convidam a participar da 1ª Semana Paulina.
É o primeiro passo de uma programação que prevê a realização de seis semanas de estudo sobre a pessoa e os escritos do apóstolo São Paulo e que se insere na celebração do Ano Paulino.
A 1ª Semana Paulina começa hoje, 25, e se estende até o dia 29, das 19h às 21h30 , no centro diocesano das pastorais (Av. Pe. Manoel da Nóbrega, 1000, próximo à igreja Jesus de Nazaré).

Os conteúdos desta semana são:
O CORPO DE PAULO: a pessoa, a história, os escritos.
O EVANGELHO DE PAULO: ai de mim se não evangelizar; a cruz loucura e escândalo; justificados pela fé.
A PROPOSTA DA ECLESIA: gente nova em Cristo; o corpo de Cristo; a vida na ágape.
O MISTÉRIO DO CRISTO SENHOR: reconciliados em Cristo; Cristo cabeça de tudo; Cristo o primogênito.
5. A FÉ NO SENHOR COMO CRITÉRIO ÉTICO: somos um em Cristo Jesus; chamados à liberdade; como convém ao Senhor.
O palestrante será Sandro Gallazzi, biblista, com doutorado em ciências da religião.
São convidados todas e todos que querem conhecer melhor a novidade evangélica vivida pelo apóstolo Paulo e sua atualidade para a sociedade contemporânea.

A inscrição será feita no lugar. Não haverá cobrança. Se alguém quiser colaborar com os custos da iniciativa poderá fazê-lo livre e espontaneamente. Haverá material didático à venda.

domingo, 24 de agosto de 2008

Artigo

PERGUNTAS E RESPOSTAS
Dom Pedro José Conti
Bispo de Macapá

Eu sou do tempo em que se estudava o catecismo com perguntas e respostas. Era preciso decorá-las, e quem era mais rápido em responder corretamente, ganhava, às vezes, algum prêmio. Foi assim que ganhei o meu primeiro Evangelho. Nada de menino prodígio; simplesmente tive uma mãe que exercitava a sua paciência escutando as minhas respostas e mandando repeti-las quando estavam erradas. Não menos exigentes eram a catequista e o vigário paroquial. Ai de quem falava besteira, ou tentava responder de outra forma. A cada pergunta só cabia uma resposta. Ou se sabia, ou era melhor ficar calado.

Hoje é tudo muito diferente, aliás, até o nome de catecismo mudou para se chamar de catequese. Mas os catequistas e as catequistas continuam com o mesmo nome e, na maioria, têm o mesmo entusiasmo e a mesma alegria em tentar comunicar às crianças e aos adolescentes algo de bonito sobre a nossa fé cristã. Muito Obrigado. Mas onde ficaram as perguntas e as respostas? Somente passaram de moda, mudou a pedagogia, ou tem algo de novo?

Coloco esses questionamentos porque, por coincidência, o próprio Jesus, no evangelho deste domingo, pergunta aos discípulos: - Quem dizem os homens ser o Filho do homem? E em seguida questiona mais diretamente a todos eles: - E vós quem dizeis que eu sou?

Claro que não era a pergunta de um catecismo decorado. Era muito mais, quase uma avaliação dele mesmo e de como estava sendo entendido e seu jeito de viver, de ensinar, de cuidar dos doentes, de perdoar os pecadores. A essa altura, temos a impressão de que o apóstolo Pedro estivesse esperando aquela pergunta para disparar a resposta: “Tu és o Messias o Filho de Deus vivo”. Acertou. Bom menino!

Entendemos que o que está em jogo cada vez mais, hoje, não são as respostas em si. Muitos, dos mais adultos, sabem dar todas as respostas certas. Decoraram. O problema é se entenderam o que significavam as respostas, ou também de que jeito as entenderam. Percebemos que conhecer as respostas não é mais suficiente. Não estamos concorrendo a um show televisivo, disputando prêmios. Estamos buscando respostas a perguntas decisivas da nossa vida. Deveríamos querer saber quem somos, por onde vamos, e em quem podemos acreditar. Deveríamos buscar, em fim, o sentido da nossa própria vida.

Sobre isso, hoje aparecem tantas respostas possíveis que somos tentados a não mais responder, ou a deixar que cada um responda do jeito que ele quer. Tanto faz. Temos a tentação de pensar que nem as perguntas e nem as respostas sejam mais importantes para a nossa vida. Já tem quem julga mesmo perda de tempo tantos questionamentos. Dizem que não levam a nada, porque não se transformam em dinheiro. Desse jeito, em lugar de confrontar-nos preferimos fugir; na urgência de uma resposta séria, optamos por soluções mais fáceis, cômodas ou interesseiras.

Não estamos sozinhos na confusão. No evangelho do próximo domingo Jesus dirá ao apóstolo Pedro, o mesmo que antes tinha acertado na resposta, que não pensava as coisas de Deus, mas, sim, as coisas dos homens. Quer dizer que não havia entendido nada. Jesus lhe pede para ficar longe dele, chamando-o de satanás. Coitado do Pedro! fez uma verdadeira profissão de fé, porém acertou somente as palavras. Ainda não havia entendido que tipo de messias seria Jesus. Não um triunfador, mas um sofredor; não um poderoso para oprimir e mandar, mas um humilde para servir e amar. Precisava primeiro passar pela cruz para entender um pouco mais.

Talvez seja por isso que hoje, na Catequese, não usamos mais as perguntas e as respostas tão prontas que bastariam ser decoradas. Teríamos a falsa impressão de saber tudo. Aquelas perguntas e as respostas deviam servir para serem lembradas sempre e para simplificar as questões. Isso ajudava a ter bem presente a própria fé e a não se deixar confundir com afirmações diferentes ou contrárias. Esse método valeu por muito tempo e ainda vale para aprender, na condição de entender bem as respostas, atualizando as afirmações e, sobretudo, com o compromisso honesto de viver aquilo que expressamos nas fórmulas da fé. É como dizer que é muito mais fácil decorar uma resposta que vivê-la. Contudo continuemos a colocar as perguntas, a nos questionar, a nos interrogar. Assim continuaremos a buscar as melhores respostas. Do contrário perguntas e respostas ficarão em nossa cabeça e nunca descerão até o nosso coração. Aí, sim, seria tempo perdido.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

"Zero voto" - nosso livro de causos

Uma roda de amigos à sombra da mangueira do ventilado quintal, uma garrafa de café, uma jarra de suco de maracujá geladinho e um bate-papo gostoso, descontraído e sem pressa. Ninguém olha o relógio, ninguém tem compromisso marcado para o resto da tarde.
Coisa boa é conversar sem pressa. Os assuntos são os mais variados. Fala-se de carnaval, de literatura, das sextas-feiras na Confraria Tucuju, das coisas da cidade – as boas e ruins – e da política.

Cada um aciona sua bola de cristal e diz quem será o próximo prefeito, qual o percentual de renovação da Câmara de Macapá, quais serão os candidatos mais e menos votados.
E quando o assunto é eleição há muitos causos a serem contados. E aí a gente lembra do candidato que prometia construir um “apuródromo” talvez num “comitê interplanetário”. Tem também a historinha do pai de um candidato que mandava descer cerveja e churrasco pra todo mundo festejando a vitória do seu rebento, pois acompanhando o resultado pelo rádio entendia que em cada urna seu filho tinha “cem votos” e, na verdade, era “sem votos”, ou seja, zero voto.
De causo em causo vem a sugestão do grupo para que façamos um livro de bolso contando os causos da política, no estilo do “Sambou...” que lançamos no carnaval deste ano.
Sugestão aceita.
Escrevemos. O livro está na gráfica e deve ficar pronto amanhã. Será lançado semana que vem.

Alcinéa Cavalcante e Rostan Martins

Causos

Os japiins
Era dia de eleição. A Justiça Eleitoral recebe denúncia dando conta que dezenas de pessoas, trajando camisetas amarelas, estavam fazendo boca-de-urna na frente da escola Azevedo Costa.
Juiz, promotor e policiais federais se dirigem pro local para acabar com essa farra.
Chegando lá não viram mais ninguém. Apenas o Armstrong, sentadinho no Banco da Amizade.
O promotor dirigiu-se ao Armstrong e para não ir logo acusando, falou:
- Recebemos uma denúncia de que tem um bando de japiim fazendo o maior barulho por aqui.
E o filho do Sacaca com aquele jeito que só ele tem, disse:
- Olhe, doutor, ter até que tinha, mas eles acabaram de voar.

(Japiim é um pássaro amarelo)

Mas é anta
Numa certa madrugada um pichador escreveu no muro da casa de um político a seguinte frase:
“Aqui mora uma anta”.
O político decidiu tirar sarro e em vez de mandar apagar a frase, mandou escrever embaixo:
O morador desta casa é uma autoridade e tem mandato concedido pela vontade soberana do povo” .
Na madrugada seguinte o pichador voltou e escreveu:
“mas não deixa de ser uma anta”.

Retrato em branco-e-preto

Olha aí o mano Zoth com nove meses de idade. Mamãe quando olhava esta foto gostava de contar que Zoth com nove meses já se soltava da mão dela e saía correndo por aí. "Ele ainda não tinha nenhum dente, não largava o pipo (chupeta) mas já corria feito um danadinho", dizia ela.
A foto é na antiga sede da Piscina Territorial, um dos clubes mais chiques daquela época.
Ah, essa corrente - que aqui a gente chama de cordão - tem história. Foi do Alcione, depois passou pra mim, foi do Zoth e por fim da Alcilene. Era um cordão de ouro, grosso e comprido, que serviu para pendurar a chupeta de todos nós.
Zoth, que na pia batismal recebeu o nome de Alcy Araújo Cavalcante Filho, é músico e funcionário da Petrobrás. Tem três filhos. Mora em Manaus e eu tô com uma saudade danada dele.

Hoje tem chorinho no Largo

O projeto Concertos de Verão, da Confraria Tucuju, se consolida como uma alternativa de lazer e cultura de alta qualidade nas noites de sexta-feira em Macapá. Privilegiando a música instrumental clássica e popular, o projeto reúne os melhores músicos do estado em apresentações ao ar livre e com acesso gratuito, na bela paisagem histórica do Largo dos Inocentes.

Pensados inicialmente para ocorrer no final da tarde, os concertos tiveram que sofrer alterações de horário em função da realização das missas na Matriz de São José. Agora, começam às 20 horas e se estendem por uma hora e meia. “O público está cada vez mais presente e fiel”, disse a presidente da Confraria, advogada Telma Duarte.

“Esse projeto foi uma ousadia que nos surpreendeu. As pessoas gostam do que é bom, só precisam ter oportunidade de acesso”, analisa Telma. Os concertos acontecerão durante todo o verão, sempre às sextas-feiras, no horário de 20 horas.
Para fechar o mês de agosto, o grupo convidado é Lolito do Bandolim e Regional, que se apresenta hoje (22), com repertório de chorinhos.

Na última sexta-feira do mês, 29, acontecerá o Sarau do Largo dos Inocentes, que transforma o centro histórico da cidade em um grande corredor cultural, com várias manifestações artísticas.
(Márcia Corrêa, da assessoria de comunicação da Confraria)

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Horário eleitoral

Assistiu hoje a propaganda dos candidatos a prefeito? Então, comenta aí

Tá no blog do Chico Bruno

Sabatina da Folha

Que tal perguntar a Sarney?
A Folha de São Paulo vai sabatinar no dia 26 deste mês (terça-feira) o senador e ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP). As inscrições para participar do evento estão abertas para os leitores do jornal.
A sabatina será realizada das 11h às 13h no Teatro Folha (shopping Pátio Higienópolis, av. Higienópolis, 618, 2º piso, São Paulo). O senador responderá a perguntas de quatro entrevistadores e da platéia.
Este site sugere que seja feita a seguinte pergunta a José Sarney:
Porque o senhor age de forma truculenta no Amapá e no Maranhão processando jornalistas que discordam de suas práticas e no resto do país age como um democrata? O senhor não seria um lobo travestido em pele de cordeiro?

Zeca Baleiro em Macapá

Anote logo na agenda para não perder:

Dia 4 de setembro, às 21 horas, na Fortaleza de São José.

Com turnê que começa por Manaus, Belém, Macapá e Boa Vista, pela primeira vez Zeca Baleiro estréia um novo show com um circuito pelo Norte do país.
Com repertório festivo e rítmico, baseado no novo disco “O Coração do Homem-Bomba”, cujo primeiro volume acaba de ser lançado (o volume 2 sai em novembro), o show desfila skas, sambas-funks, reggaetons, rocks e boleros, além de criativas releituras de canções já consagradas pelo público.
Com ritmo ágil e cheio de pequenas surpresas cênicas e sonoras, Baleiro - que faz show dia 4 de setembro em Macapá - vem escudado pela banda “Os Bombásticos’’, que gravou e co-produziu o CD, com destaque para os metais em brasa que dão o irresistível tom de festa ao espetáculo.
O projeto de iluminação é de Camilo Bonfanti, os figurinos de Camila Motoryn e as fotos de divulgação de Marcos Hermes.

Os Bombásticos
Tuco Marcondes – guitarras, violões e vocais
Fernando Nunes – baixo e vocais
Pedro Cunha – teclados, acordeon e vocais
Kuki Stolarski – bateria e percussão
Hugo Hori – sax, flauta e vocais
Tiquinho – trombone
Hombre Cerutto – trompete

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Começou

Assistiu? Então comenta aí na caixinha de comentários

sábado, 16 de agosto de 2008

Extra! Extra!

Neste momento está acontecendo a maior confusão no bairro Zerão e a polícia e a Justiça Eleitoral já foram chamadas.
O Governo do Estado resolveu fazer hoje uma ação naquele bairro. Segundo o sítio do governo nesta ação de hoje - que envolve os bairros Zerão e Universidade - cerca de "30 mil moradores serão beneficiados com retirada de documentos como o registro de nascimento, carteira de identidade, carteira de trabalho, palestra educativas, entre outros. Além disso, a população também recebe benefícios na área da saúde como consultas, vacinação, aferição de pressão arterial, verificação de glicose, tipagem sangüínea e distribuição de medicamentos sob prescrição médica."
O prefeito João Henrique considerou a ação eleitoreira e denunciou o fato à Justiça Eleitoral. Além disso para executar a ação o governo retirou, sem autorização da Prefeitura, material e equipamentos de um posto de saúde do município.
Tá o maior barraco por lá.

O eclipse da Lua

visto do quintal da minha casa agora

Para sempre



"Caymmi é para sempre.
Não vai morrer nunca."
(Carlos Lyra)
.
.
.
Foto: Carlos Magno/AE - 12/4/2005

Trajetória de Dorival Caymmi

Agência Estado

1914
Nasce no dia 30 de abril na Rua da Bângala (depois Luiz Gama) em Salvador, Bahia

1927
Interrompe o curso ginasial para trabalhar como auxiliar de escritório na redação do jornal O Imparcial

1930
Compõe sua primeira canção, a ingênua toada No Sertão, que nunca foi gravada. Revendo-a mais tarde considerou-a "cheia de lugar-comum, uma composição de modinheiro"

1935
É aprovado em teste na Rádio Clube da Bahia, onde começa a cantar esporadicamente

1936
Vence concurso carnavalesco com A Bahia Também Dá, também jamais gravada, e ganha como prêmio um abajur de cetim

1938
Desembarca no Rio de Janeiro, onde publica desenhos na revista O Cruzeiro. Estréia na Rádio Transmissora cantando o samba O Que É Que a Baiana Tem?, incluído no filme Banana da Terra, de J.Rui

1939
Grava O Que É Que a Baiana Tem?, em dupla com Carmen Miranda, que se torna uma sucesso nacional. É cantando esse samba na Broadway que a cantora se projeta nos Estados Unidos

1940
Passa a atuar na Rádio Nacional, onde conhece a cantora Stella Maris, com quem se casa em abril do mesmo ano. O casal tem três filhos: Nana (1941), Dori (1943) e Danilo

1941
Obtém êxito com Requebre Que Eu Dou um Doce e Você Já Foi à Bahia?, dois dos vários sambas seus gravados na época pelo grupo Anjos do Inferno. Encontra Walt Disney, que veio ao Rio acompanhar a estréia de seu desenho clássico Fantasia. Faz o papel de pescador num curta-metragem baseado em sua canção A Jangada Voltou Só.

1943
Freqüenta curso de desenho na Escola de Belas Artes do Rio

1944
Tem a letra original de Vestido de Bolero vetada por causa dos versos 'Se o casaco for vermelho/ Todo mundo vai usar'. No entender do censor, poderia ser uma alusão ao comunismo

1945
Engaja-se na campanha de Luiz Carlos Prestes ao Senado e passa a ser perseguido pela polícia

1947
Lança o samba-canção Marina, que alcança enorme sucesso na voz de Dick Farney

1950
Atua no filme Estrela da Manhã de Jonald (Oswaldo Marques de Oliveira), com argumento de Jorge Amado

1954
Muda-se para São Paulo, onde atua na Rádio Record e em boates, voltando para o Rio no ano seguinte.
Grava o primeiro LP, Canções Praieiras (Odeon), acompanhando-se ao violão

1955
Lança o segundo LP pela Odeon, Sambas de Caymmi, com Sábado em Copacabana, Não Tem Solução, Só Louco, Vestido de Bolero e A Vizinha do Lado, entre outros

Perde o parceiro Carlinhos Guinle e sua grande intérprete Carmen Miranda, mortes que o deixam abalado

1957
Sai o terceiro LP, Caymmi e o Mar, que incluía História de Pescadores, uma suíte de canções praieiras.

Faz enorme sucesso com Saudade da Bahia, que teve outras sete gravações além da dele só naquele ano e mais quatro no ano seguinte

1958
Sempre pela Odeon, tem mais dois LPs na praça, Maracangalha e Ary Caymmi - Dorival Barroso, em que um interpreta composições do outro

1959
Com direção artística de Aloysio de Oliveira, sai um de seus mais importantes álbuns, a obra-prima Caymmi e Seu Violão

João Gilberto, outro de seus melhores intérpretes, lança o histórico LP Chega da Saudade, pedra fundamental da bossa nova, em que regrava sua Rosa Morena

1960
O álbum Eu Não Tenho Onde Morar, traz o histórico dueto de Caymmi com a filha Nana em Acalanto, que compôs para niná-la quando ela nasceu. É a estréia da cantora em disco

1962
Nasce a primeira neta, Stella, filha de Nana e do médico venezuelano Gilberto José Aponte Paol

1965
O cantor popular Andy Williams grava And Roses and Roses, versão em inglês de ...Das Rosas, e o convida a participar de seu programa de tevê em Los Angeles

Sai nos Estados Unidos o álbum Caymmi, com o Quarteto em Cy, aproveitando a repercussão do baiano entre os americanos

Ao lado de Aloysio de Oliveira, Norma Bengell, Tom Jobim e Vinicius de Moraes, Caymmi reencontra Walt Disney na Disneylândia

1966
Sofre uma grave crise de hipertensão e é internado. Pára de beber e passa a ter hábitos mais saudáveis

1967
Caymmi reencontra o Quarteto em Cy com Vinicius de Moraes e o conjunto de Oscar Castro Neves no LP Vinicius/Caymmi no Zum Zum (Elenco), reprodução em estúdio do show que fora sucesso nos verões de 1964 e 1965. O poeta carioca saúda o parceiro com estes versos de improviso: 'Ouçam como é lindo ele cantar sua poesia/ Que melancolia/ Ai, que saudade eu tenho da Bahia'

1968
Em meio à polêmica sobre a introdução de guitarras elétricas na música popular, apóia o uso dela pelos tropicalistas, entre eles seus conterrâneos Caetano Veloso, Gilberto Gil e Tom Zé

1972
Lança o LP Caymmi (Odeon), com várias canções inéditas, entre elas Morena do Mar, Eu Cheguei Lá e Oração de Mãe Menininha, que se tornou um grande sucesso

1973
Na falta de repertório novo, gravou Caymmi Também É de Rancho, último LP do contrato com a Odeon, considerado o maior equívoco de sua carreira

1974
No ano em que entra na casa dos 60, tem sua atividade de pintor submetida à crítica. Millôr Fernandes considera seus quadros como "um dia de descanso"

1975
Gal Costa grava Modinha para Gabriela, que faz sucesso como tema de abertura da novela Gabriela, de Walter George Durst

1976
Sai o antológico álbum Gal Canta Caymmi. Os dois fazem shows juntos, com direção musical de João Donato

1980
A convite de Chico Buarque, viaja a Angola para divulgar a música brasileira em shows do Projeto Kalunga, ao lado de Clara Nunes, Dona Ivone Lara, Djavan, Elba Ramalho, Miúcha, Martinho da Vila e outros

1984
Comemora os 70 com show ao lado dos filhos e de Stella Maris, na inauguração do Shopping Iguatemi de Salvador, que o homenageia com um busto de bronze feito pelo escultor Bruno Giorgi para a praça que leva seu nome

A Funarte lança em LP duplo a íntegra do show que Caymmi fizera no Teatro Castro Alves em 1979, dirigido por Hermínio Bello de Carvalho

Lança um álbum de gravuras retratando cenas de suas canções. Expõe seus desenhos na Funarte do Rio
Ao lado de Fernanda Montenegro, recebe do presidente João Figueiredo e do ministro Carlos Coqueijo, seu amigo, o título de Comendador da Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho

1986
Desfila no Sambódromo carioca como destaque da escola de samba Mangueira, que ganha o carnaval com o enredo Caymmi Mostra o Mundo Que a Bahia e a Mangueira Têm

1987
Junta-se aos filhos para um show de grande sucesso que corre o País e vira disco ao vivo

1988
Nasce Marina, sua primeira bisneta, filha da neta Denise

1991
Pai e filhos vão ao Festival Internacional de Jazz de Montreux, na Suíça, e lançam outro disco ao vivo

1993
O antropólogo Antônio Risério publica um importante ensaio, Caymmi: Uma Utopia de Lugar, pela Editora Perspectiva

A TV Bandeirantes promove um encontro antológico entre Caymmi e Chico Buarque para um programa especial de fim de ano. Ambos de calças brancas e camisetas listradas, se divertem cantando Maricotinha e A Vizinha do Lado, na Praia do Vidigal, no Rio

1994
Entre as muitas homenagens por seus 80 anos, Almir Chediak lança o songbook Dorival Caymmi, com dois livros reunindo 99 partituras e letras e quatro CDs com suas músicas interpretadas por gente como Chico Buarque, Tom Jobim, Hermeto Pascoal, Ney Matogrosso, Tim Maia

A morte de Tom Jobim, no dia 8 de dezembro, o deixa tão emocionalmente abalado que não tem condições de ir ao velório nem ao enterro. "Nossa relação era um caso de amor", declara Caymmi

1999
Termina o samba Falou com a Moça?, que começou a compor em 1930

2000
A EMI lança a caixa Caymmi Amor e Mar, com 7 CDs contendo 12 LPs originais do compositor.

2008
Dorival Caymmi morre em casa cercado pelos filhos

* fontes: Dorival Caymmi, o Mar e o Tempo (Editora 34), de Stella Caymmi, e Enciclopédia da Música Brasileira (Art Editora/Itaú Cultural)

Caymmi morreu

Aos 94 anos Dorival Caymmi - um dos maiores nomes da música popular brasileira - morreu na manhã deste sábado em sua casa no Rio de Janeiro.
Ele sofria de câncer, mas desde o ano passado se recusava a ser internado.
Ele morreu de falência múltipla de órgãos. Seu sepultamento ocorrerá amanhã.

Macapá tem...

Açaizeiros por toda parte
E como hoje é sábado vou almoçar açaí com camarão no bafo

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

PF vai priorizar a Amazônia

Numa cerimônia rápida e simples, o diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Correa, inaugurou hoje à tarde em Macapá as novas instalações do Setor Técnico e Científico da Polícia Federal no Amapá, que passa a contar a partir de agora com equipamentos de alta tecnologia para investigar e combater os diversos tipos de crime.
Entre os novos e modernos equipamentos estão um analisador espectral, usado para verificar a autenticidade de documentos e um outro para análise de substâncias entorpecentes.
Durante a solenidade, Fernando Corrêa prometeu que vai priorizar o aparelhamento da Polícia Federal na Amazônia, principalmente nas regiões de fronteira. Outra prioridade da PF na região é combater os crimes ambientais.
Antes de inaugurar o Setec, Luiz Fernando Corrêa esteve no município de Oiapoque, na fronteira com a Guiana Francesa. Foi uma visita apenas para conhecer as instalações da PF naquele município.
A ida ao Oiapoque ( distante quase duas horas de avião de Macapá) atrasou a agenda de Corrêa em Macapá. A inauguração do Setec, que estava marcada para às 12h, se deu com mais de três horas de atraso.
De Macapá, o diretor-geral da PF segue ainda hoje para Belém.

TRE derruba candidatura de "ficha suja"

Por unanimidade o Tribunal Regional Eleitoral do Amapá indeferiu ontem o pedido de registro de candidatura a prefeito de Amapá, município com 5.389 eleitores, de Carlos César da Silva, o Peba.
Ex-prefeito daquela cidade, Peba aparece nas listas dos “fichas sujas” tanto do Tribunal de Contas do Estado como do Tribunal de Contas da União.
Candidato de uma coligação formada por nove partidos, Peba quer voltar a governar aquele muncípio, mas na 1ª Zona Eleitoral o juiz Normandes de Souza indeferiu o pedido de registro acolhendo impugnação feita pelo Ministério Público Estadual.
O ex-prefeito recorreu da decisão ao TRE, mas não logrou êxito. O Tribunal entende que Peba não possui integridade moral para postular um cargo eletivo.
Mas ainda cabe recurso. Ele pode recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral, que terá até o dia 25 de setembro para julgar.
Peba é candidato da coligação Amapá Popular, formada por DEM, PSL, PTB, PMDB, PV, PSB, PSDB, PRTB e PPS.

Macapá tem...

Olha a banana... olha o bananeiro...

Bom dia!

"Eu tenho de ir
Moro no vento
No arco
Íris do teu olhar"
(Carla Nobre)

Gitas e gitinhas...

Poemas Nobres
Será hoje às 19h na Casa do Artesão a abertura da exposição Poemas Nobres, da professora e poeta amapaense Carla Nobre, autora do livro "Sobre o adeus e o encelado de Saturno".
Na abertura tem show da Verônica do Marabaixo, Enrico di Miceli e Nivito Guedes.

Tô fora!
Jornalista dos bons, Wagner Maffezoli deixou ontem a direção da campanha de televisão do candidato a prefeito de Macapá Moisés Souza (PSC) e já retornou pra São Paulo, onde produz o programa do Gugu, no SBT.
Maffezoli não concorda com o tipo de campanha que Moisés quer fazer no rádio e televisão. Além de Maffezoli, o jornalista Rogério Casagrande também pediu as contas e se mandou.


Contra burguês
PSTU faz festa hoje de lançamento das candidaturas classistas e socialistas e debate sobre o significado das eleições, a partir das 19h na sede do Sindicato dos Servidores da Justiça.
Com o lema "Trabalhadores de um lado, patrões de outro", o PSTU participa das eleições para divulgar seu programa revolucionário e socialista.

Campeões
Os campeões de intenção de votos na pesquisa que o Ibope fez em Macapá, são também os campeões de rejeição. 24% dos eleitores entrevistados dizem que não votam em Roberto Góes (PDT) de jeito nenhum e 21% não votam em Camilo Capiberibe nem que a vaca tussa.

Menor rejeição
De acordo com a pesquisa do Ibope os candidatos com menor rejeição são Lucas Barreto (PTB) e Moisés Souza (PSC). Eles tem menos de 10% de rejeição.

Pais e filhos & outros parentes
Se saísse uma edição especial da revista Pais e Filhos só ia dar políticos do Amapá.
Só pra citar alguns: o filho da deputada federal Janete Capiberibe é candidato a prefeito, um filho da deputada Francisca Favacho é candidato a vereador, o filho do deputado Edinho Duarte também é candidato, a filha da presidente da Câmara de Vereadores e candidata a vice-prefeita Helena Guerra é candidata a vereadora. Um irmão e dois sobrinhos do deputado Paulo José são candidatos a vereador, o irmão do deputado Zezé também é candidato, um primo do governador Waldez Góes é candidato a prefeito, uma tia do governador Waldez Góes é candidata a vereadora...

Perguntar não ofende
É legal, ético e moral quem tem parentes disputando as eleições atuar como juiz eleitoral?

Palmito
Uma instrução normativa assinada pelo secretário do Meio Ambiente Walmir Ortega desregulamentou o comércio de palmito no Pará, provocou uma corrida de palmiteiros do Amapá para registrar o produto como extraído no Estado e levou o Ministério Público Federal à recorrer a Justiça Federal. O MPF quer que a instrução nº 11/2008, publicada em 23 de junho passado, seja revogada por ordem judicial para garantir a
volta da fiscalização sobre a extração e o transporte do produto. A ação foi ajuizada ontem.

A pesquisa do Ibope

A primeira pesquisa do IBOPE Inteligência sobre a disputa pela prefeitura de Macapá indica que Roberto Góes (PDT) e Camilo Capiberibe (PSB) dividem a preferência do eleitorado, com 28% e 24% das intenções de voto, respectivamente. Fátima (PMDB) e Professora Dalva (PT) aparecem em seguida, rigorosamente empatadas, com 8%. Brancos e nulos somam 8% e 11% dos eleitores afirmam estar indecisos, enquanto outros 4% preferem não responder. As entrevistas em Macapá foram realizadas entre os dias 8 e 10 de agosto.

Na pergunta sem a apresentação dos nomes dos candidatos, Roberto Góes é mencionado por 19% dos eleitores, contra 12% que declaram intenção de votar em Camilo Capiberibe. Nesse cenário, quase a metade dos eleitores (45%) afirma não saber em quem votar.

Rejeição
Os candidatos que lideram as intenções de voto são também aqueles com as maiores rejeições: 24% dos eleitores não votariam de jeito nenhum em Roberto Góes e 21% em Camilo Capiberibe. Outros três candidatos vêm logo em seguida: Frota tem 20% de rejeição, Professora Dalva tem 18% e Fátima, 14%. Os demais apresentam rejeição inferior a 10% e apenas 2% declaram que votariam em qualquer um dos postulantes.

Próximo prefeito
O IBOPE Inteligência também perguntou aos eleitores quem eles acham que será o próximo prefeito, independentemente de sua preferência. A percepção
de metade dos entrevistados (50%) é que Roberto Góes será eleito, e outros 12% acreditam que o vencedor será Camilo Capiberibe.

Avaliação da administração
A administração do prefeito João Henrique é considerada ruim ou péssima por 58% dos eleitores, regular por 29% e ótima ou boa por 11%.

Ficha técnica
Período de campo: A pesquisa foi realizada entre os dias 8 e 10 de agosto de 2008.
Tamanho da amostra: Foram entrevistados 504 eleitores.
Margem de erro: É de quatro pontos percentuais, considerando um grau de confiança de 95%.
Solicitante: Rádio TV do Amazonas Ltda.
Registro: Pesquisa registrada sob número 5.907/2008 na 10ª Zona Eleitoral de Macapá/AP.

Tá no sítio do MPF

Governador e deputado federal podem estar envolvidos no esquema de favorecimento ao Grupo MMX

O Ministério Público Federal no Amapá, no dia 12 de agosto, requereu a remessa ao Supremo Tribunal Federal do inquérito policial que investiga a existência de uma organização criminosa responsável por fraudes na licitação para concessão da estrada de ferro que liga o município de Serra do Navio ao Porto de Santana, com o suposto favorecimento ao Grupo MMX.

Durante as investigações, foram identificados indícios do envolvimento do então Secretário de Estado do Planejamento, Orçamento e Tesouro do Amapá e atual Deputado Federal, Jurandil dos Santos Juarez , como também do Governador do Estado do Amapá Antonio Waldez Goés da Silva.

O requerimento da Procuradoria da República no Amapá ocorre em razão dos cargos eletivos ocupados atualmente pelos investigados, uma vez a Constituição Federal especifica que processos desta natureza devem tramitar em uma instancia superior da justiça, no caso, o Supremo Tribunal Federal. Com isso, a Procuradoria Geral da República continuará desempenhando a atuação do MPF na questão.
(Assessoria de Comunicação - Procuradoria da República no Amapá)

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Tá no Portal Terra

Procurador aposentado do Amapá é suspeito de matar delegado

O delegado da Polícia Civil Cid Júnior foi morto ontem à tarde com um tiro na cabeça no Conjunto Esperança, periferia de Fortaleza, no Ceará. Ele era o titular do 19° Distrito Policial. O procurador federal aposentado do Amapá, Ernane Lopes Pereira, foi preso.
Segundo a polícia, o procurador aposentado teria convidado o delegado para conhecer sua casa na lagoa da Precabura, em Fortaleza, onde a morte ocorreu. Em seguida, Pereira teria fugido e feito a mãe do delegado refém, na residência dela.

O superintendente da Polícia Civil, Luiz Carlos Dantas, acompanhou as negociações, até que a refém fosse libertada. Pereira se entregou aos policiais. O corpo do delegado foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) O motivo do crime ainda é desconhecido.
A superintendência da Polícia Civil vai pronunciar sobre o caso hoje, em entrevista coletiva. Segundo o coronel Carlos Ribeiro, da Polícia Militar, o ex-procurador estava embriagado. As primeiras informações dão conta de que o tiro teria sido acidental.

Imperdível

É hoje!

Joãozinho Gomes e Val Milhomem - 50 anos
Márcia Corrêa

O maior encontro da música brasileira no meio do mundo, “Joãozinho Gomes e Val Milhomem – 50 anos”, comemora meio século de vida de dois dos mais importantes artistas da Amazônia, o poeta paraense Joãozinho Gomes e o compositor e cantor amapaense Val Milhomem. Um grande encontro de cantores, compositores e poetas que ao longo de suas carreiras cruzaram os caminhos musicais dos homenageados.

A festa começou em dezembro de 2007, com a participação de cinqüenta artistas, entre nomes locais, regionais e nacionais, e terá continuidade hoje. Interrompido por um forte temporal, típico do inverno amazônico, o show será reeditado em respeito ao público e com a finalidade de concluir a gravação do DVD comemorativo ao cinqüentenário dos dois artistas.

Como local para realização de um encontro dessa magnitude foi escolhida a Fortaleza de São José de Macapá, no Amapá, construção do período colonial brasileiro inaugurada em 1782 às margens do rio Amazonas. Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, a fortaleza está entre as maiores e mais bem preservadas fortificações da América do Sul.

A homenagem a Joãozinho e Val partiu da iniciativa dos produtores culturais independentes Cláudio Silva e Clícia Vieira Di Miceli e do cantor e compositor paraense Nilson Chaves, com a coordenação executiva do artista plástico, compositor e escritor Marcos Quinan. Um encontro que reunirá em Macapá nomes expressivos da música brasileira: Raízes do Bolão e Verônica dos Tambores - Lecy Brandão - Jane Duboc - Nazaré Pereira - Eudes Fraga - Lucinha Bastos - Marco Monteiro - Mário Moraes - Rafael Lima - Salomão Habib - Walter Freitas - Eliakin Rufino - Luhli - Lucina - Marco André – Nilson Chaves - Vital Lima - Celso Viáfora - Ceumar - Chico César - Jean Garfunkel - Mapyu - Trio Manari - Rafael Altério - Vicente Barreto - - Naldo Maranhão - Sabatião - Zé Miguel - Enrico Di Miceli - Osmar Jr. - Patrícia Bastos - Juliele – Lula Jerônimo - Bebeto Nandes - Sambarte - Amadeu Cavalcante - Oneide Bastos - Nonato Leal - Sebastião Mont’Alverne - Pilão – Ronery – Rambolde Campos – Nilson Chaves – Val Milhomem – Joãozinho Gomes e Senzala.

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Fraude na bolsa família

A Justiça Eleitoral acaba de apreender os computadores do gabinete do prefeito de Santana, Antônio Nogueira.
A Justiça investiga fraude na concessão de bolsa família para beneficiar o prefeito Nogueira, candidato à reeleição, e Ana Dalva, candidata a prefeita de Mazagão, ambos do Partido dos Trabalhadores.

Quando eu tiver os detalhes eu volto aqui para contar.

Feliz aniversário, mano!

"Que te abençoe a alegria da aurora
e a tristeza translúcida da tarde
e te abençoe o silêncio
e o riso claro das crianças felizes.
Que te abençoe finalmente
a infinita bondade de Deus
que te criou à imagem e semelhança
do meu sonho de poeta."
(Alcy Araújo Cavalcante)

Meu amado irmão Alcione, engenheiro florestal e um dos técnicos mais competentes e respeitados deste Estado, está aniversariando hoje.

Nasceu numa sexta-feira, 13 de agosto, às 13 horas para provar que o 13 não é e nunca foi um número que dá azar. Ao contrário, é um número de muita sorte.

Quando foi fazer vestibular na Universidade Federal do Paraná, Alcione saiu daqui de Macapá num dia 13. O resultado do vestibular foi divulgado num dia 13 e lá estava ele entre os aprovados. O número de sua casa é 713 e há muito mais trezes em sua vida que agora não lembro.

Mamãe é que sabia todos e adorava nos contar e nos contava também que o mano gostava de comer carvão e taí uma foto dele, molequinho no quintal mexendo no carvão. Acho que estava escolhendo um bom pedaço para comer (notaram esse pedação de carvão que ele tem na mão? rsssss).

Mano, eu poderia contar aqui pros amigos as tuas peripécias quando moleque. Lembras quando resolveste ficar pulando de um cajueiro para o outro no nosso quintal, até que erraste o salto e levaste um quedaço e eu ali sem saber o que fazer? E quando a mamãe te mandava estudar depois do almoço? O que tu fazias? Enquanto ela ia tirar a sesta tu fugias pra brincar na casa da Dona Lourdes, nossa vizinha, ou para empinar papagaio e eu tinha que ficar de plantão pra te avisar com um assobio quando mamãe acordava. Tu ouvias o meu assobio, vinhas correndo, pulavas a janela do quarto, pegavas o caderno e fazias que estava estudando. E aquela vez que tu, o Zoth e a Lene me trancaram no guarda-roupas e ainda me deram um apelido que eu odiava? Ah, lembras quando a gente se escondeu embaixo de um pé de jasmim porque disseram que o mundo ia se acabar? Tem tanta historinha da nossa infância, né? Nem vou contar aqui o que tu aprontavas com o Zoth e com Alcilene. Deixo que eles mesmos contem.

Depois veio a adolescência e as minhas coleguinhas se apaixonando por ti e eu servindo de moleca de recado. Pode?

Vieram as festas no Macapá e na Assembléia e nós sempre juntos. Voltando dos bailes a pé, numa época em que se podia andar pelas ruas de Macapá a qualquer hora sem medo de assalto ou qualquer outro tipo de violência.

E quando foste estudar em Curitiba, tão longe, eu ficava contando os dias que faltavam para as férias pra te ver chegar, te ouvir falar da neve, das coisas da cidade grande e curtir os últimos lançamentos de "bolachões" que trazias na bagagem. E é com esta mesma ansiedade que hoje espero pelas noites de sexta-feira porque sei que religiosamente vens aqui na minha casa toda sexta à noite e todo sábado pela manhã tomar uma cervejinha, contar histórias e comentar sobre o que o rolou durante a semana na política, na arte, no carnaval...

Bom, mas como eu ia dizendo lá em cima, eu poderia contar aqui para os amigos que visitam meu blog, um montão de coisas da gente. Mas o que eu quero mesmo é falar que te amo muito, agradecer pelo teu carinho, pela cunhada e sobrinhos maravilhosos que me deste, pelo apoio que me dás sempre que eu preciso e dizer que se tu tens sorte porque nasceste num dia 13 às 13 horas, mais sorte tenho eu por te ter como irmão.

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Boa noite!

"Eu penso em ti. Sabias que isso é uma coisa maravilhosa? A primeira criatura que pensou numa outra criatura ausente, como deve ter-se espantado!
Não sabia que se tratava de seu primeiro pensamento humano."
(Mario Quintana)

Horário eleitoral

Começa na próxima terça-feira, 19, o horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão. A propaganda eleitoral dos candidatos a prefeito será exibida às segundas, quartas e sextas.

Veja como ficou a distribuição do tempo entre os candidatos:

Roberto Góes (PDT) - 7 minutos e 58 segundos
Dalva Figueiredo (PT) - 5 minutos e 57 segundos
Fátima Pelaes (PMDB) - 5 minutos e 42 segundos
Moisés Souza (PSC) - 3 minutos e 44 segundos
Camilo Capiberibe (PSB) - 2 minutos e 49 segundos
Lucas Barreto (PTB) - 2 minutos e 24 segundos
Joinville Frota (PSTU) - 1 minuto e 26 segundos

Retrato da periferia

Nos bairros da periferia de Macapá não existe poste de concreto. Os postes ainda são de madeira, como no tempo do ronca. E olha só o emaranhado de fios. E isso é uma das causas dos constantes incêndios nestes bairros tão abandonados pelo Poder Público.

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Um poeta assume a Biblioteca

O poeta, escritor e professor Ricardo Pontes assumiu hoje a gerência da Biblioteca Pública Elcy Lacerda.

Ele tem expressivo apoio dos segmentos culturais que já há algum tempo vinham se manifestando contrários a permanência de Tânia Mello, que fora indicada para o cargo pelo PMDB e implantou na biblioteca uma "regime de quartel", afastando dali os poetas e escritores.
"A escolha de um escritor para gerenciar a biblioteca pública é uma conquista que merece ser festejada por todos nós", disse o poeta José Pastana, membro do Conselho Estadual de Cultura.
Ricardo afirmou que vai reorganizar a biblioteca e fazer dela um espaço harmônico, democrático, onde as pessoas, além dos livros e do conhecimento, também encontrem prazer para viver bons momentos, debater idéias, desfrutando da arte, da cultura e da boa convivência. "A Biblioteca é a casa do escritor, do poeta, do artista, do pesquisador, do amante da leitura - estará sempre de portas abertas para todos", diz ele.

Boa tarde!

Nas tardes quentes de Macapá a rapaziada aproveita para banhar-se e divertir-se nas águas do rio Amazonas, bem na frente da cidade, ali na orla do bairro Perpétuo Socorro. É um privilégio que só quem mora em Macapá tem.

sábado, 9 de agosto de 2008

Colunistas do blog

Arborização: Da Tuma do Buraco ao Macapá Verão 2008

Engenheiro florestal Alcione Cavalcante


Pois é findou mais um melancólico Macapá Verão. Parece que só então começa pra valer o verão equatorial, a impor de forma mais perceptível sua elevada temperatura. Dirão uns que tal situação é função da posição geográfica de nossa cidade, o que é correto. Entretanto, também é verdadeiro afirmar que temos contribuído para aumentar de forma decisiva nosso conseqüente desconforto térmico.

Ainda que se admita um quadro de grande complicação quando se afere que estivemos expostos a expressivos índices de inchaço demográfico (acima de 5% ao ano, segundo o IBGE) determinados por processos migratórios originários em demandas sociais e econômicas e em alguns casos conveniência política. Ainda assim, existem outras causas, estas mais posicionadas nos limites de nossa jurisdição. São diversas e estende-se desde a inobservância dos mais elementares princípios de planejamento urbano, ao descumprimento da legislação que rege o uso e parcelamento dos solos, até ocupação desenfreada de áreas de proteção ambiental, com importantes atributos ambientais e ecológicos, como é o caso das ressacas de Macapá.

Mas deixemos tal quadro de complexidades. Vamos nos ater a uma questão mais prosaica, no caso a arborização urbana de Macapá. Os cidadãos e os homens públicos se posicionam de forma diferenciada com relação a questão. Estes últimos, no geral, se postam de acordo com a conveniência política do momento ou da expectativa da interlocução. Os que se posicionam contra, normalmente argumentam que a arborização urbana suscita inconvenientes diversos entre os quais geram umidade em função do sombreamento, atraem insetos (ai, o fede-fede, argh !), deixam cair folhas que sujam os quintais e calçadas ( onde? onde?), entopem as redes de esgoto e drenagem de águas pluviais (tem isso em Macapá?) e no limite serve de esconderijo para usuários de drogas e assaltantes. Como vemos tecem argumentos de toda espécie. Todos discutíveis. Não há estudos ou notícias, por exemplo, de redução de assaltos ou de consumo de drogas, em função redução do verde das cidades.

Sem querer entrar em minúcias técnicas sobre a importância das árvores, convém citar seu valor na contenção de processos erosivos, na redução da incidência direta da luz solar, no abrigo da fauna, em especial aves que com suas dietas controlam a população de insetos urbanos. Expomos ainda o ciclo das águas que através da evapotranspiração faz circular, segundo alguns estudiosos, até centenas de litros de água por dia/árvore de grande porte. Significativa importância também quando a escudo natural de controle da poluição sonora, assim como ímpar barreira natural contra a poluição derivada dos particulados sólidos oriundos das chaminés (poucas) e descargas (muitas) que compõe o mapa urbano da cidade, e finalmente o mais famoso e importante: o processo fotossintético que sorve o CO2 da atmosfera e repõe o oxigênio.

Gostaria de centrar a questão em um ponto que parece ser dos mais relevantes, no caso a influência da arborização sobre o gradiente térmico urbano. No caso de Macapá, não há estudos que sinalizem com precisão este papel. No nível nacional, diversas instituições e pesquisadores se debruçam sobre o tema, gerando informações interessantes. Por exemplo, citamos o caso da cidade de São Paulo, onde ocorrem diferenças de até 10 ° C, no mesmo horário, entre padrões de arborização diferenciados.

Diferenças deste porte, no geral, são “corrigidas” através do uso de aparelhos e centrais de ar condicionado, que por sua vez consomem mais energia, remetendo ao uso mais intensivo dos recursos naturais e potencializando impactos negativos sobre o meio ambiente. Temos ainda o mais imediato dos prejuízos, no caso o que ocorre diretamente sobre o bolso e a saúde do cidadão.

Algumas cidades já perceberam significância do verde para a qualidade de vida dos cidadãos, como é o caso de Curitiba no sul e João Pessoa no nordeste, para ficar apenas nos exemplos mais conhecidos.

No caso de Macapá, vale a pena lembrar que o assunto não tem recebido dos dirigentes o apreço devido. Para alguns, o esforço mais recente data dos meados da década de oitenta, na administração Domício Magalhães. Para os mais antigos, como o Laércio Aires, a sério mesmo só a Turma do Buraco, sob a gestão Janary Nunes, na década de cinqüenta, ambas quando ainda éramos “O Verde Território da Esperança”, no dizer de Alcy Araújo e Álvaro da Cunha.

Como se vê, nesta questão, como em outras, não é bom apostar apenas no Poder Público. Você deve estar se perguntando – o que é que eu tenho a ver com isso? Resposta: Tudo.

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

O debate

A TV Tucuju (Rede TV) realizou hoje o primeiro debate entre os candidatos a prefeito de Macapá. Dos sete candidatos apenas um não compareceu: Roberto Góes (PDT). Primo e candidato do governador Waldez Góes, Roberto Góes, segundo sua assessoria, está no Rio de Janeiro participando de uma reunião da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Ele é presidente da Federação Amapaense de Futebol.

Com duração de duas horas (das 12h às 14h), o debate foi considerado morno, com poucos momentos de “alfinetadas” entre os candidatos.

Joiville Frota, do PSTU, atribuiu a caos na saúde, na educação e no transporte ao presidente Lula, ao prefeito João Henrique (PT) e ao governador Waldez Góes (PDT) e quis saber se a candidata petista Dalva Figueiredo já passou pelo menos algumas horas internada num posto de saúde para saber o que é não ter atendimento médico nem remédios nas casas de saúde do município. Para Lucas Barreto (PTB), os postos de saúde de Macapá há muito tempo deixaram de ser a esperança da cura e da vida, pois “se transformaram em certeza da morte”.

Sobre o transporte coletivo, Frota – que é presidente do Sindicato dos Rodoviários – disse que o partido de Dalva Figueiredo governa para os empresários e “para a população sobra a passagem cara e para o trabalhador a exploração”. Também tratando do assunto Moisés Souza (PSC) denunciou que políticos recebem propina das empresas de transporte coletivo. “Os políticos vão lá, eles mesmo, nas empresas de ônibus buscar as propinas”, disparou Souza, mas não citou nomes.
Deputada federal e ex-governadora, Dalva Figueiredo (PT) usou a maior parte de seu tempo para falar dos recursos que consegue pra Macapá através de emenda parlamentar. Outra deputada federal candidata, Fátima Pelaes (PMDB), também falou das emendas que teve aprovadas e reclamou que esses recursos não estão sendo transformados em qualidade de vida. Ela se intitulou a “única candidata com capacidade para resolver os problemas de infra-estrutura da cidade” porque sabe onde buscar recursos financeiros pela experiência que tem como deputada federal. Já Camilo Capiberibe (PSB) falou das experiências positivas do PSB, quando o partido governou o Amapá por quase oito anos. Experiências que podem ser aplicadas no município.

GAFE
A única gafe registrada no debate partiu da candidata Fátima Pelaes (PMDB). Ela deveria fazer uma pergunta sobre trânsito ao candidato Joiville Frota, mas perguntou sobre habitação. Mesmo sendo chamada a atenção pelo apresentador, não mudou de assunto.

AUSÊNCIA
Todos os candidatos lamentaram a ausência de Roberto Góes, que faz parte da maior coligação e terá o maior tempo de rádio e televisão no horário eleitoral. Na opinião de alguns, o que faltou a Góes foi coragem para debater os problemas de Macapá. “Se ele não tem coragem de participar de um debate, como terá coragem de enfrentar os problemas do município?”, perguntou Lucas Barreto.